ESTATÍSTICA DE NOSSO BLOGGER

Translate

PopAds

PopAds.net - The Best Popunder Adnetwork

sexta-feira, 30 de março de 2012

A LIBERTAÇÃO ACONTECE, QUANDO TIRAMOS DO CORAÇÃO TODAS AS COISAS ESTRANHAS A NOSSA FÉ.






RENÚNCIA, LIBERTAÇÃO 


RETIRAR DO CORAÇÃO TODAS AS COISAS 

ESTRANHAS À NOSSA FÉ

1. ORAÇÃO DE RENÚNCIA
Em nome de Jesus Cristo, pelo poder do Seu Sangue, pelas Suas Santas Chagas, pela intercessão da Virgem Maria, de todos os Anjos e Santos de Deus e com a proteção de São Miguel Arcanjo,
....Eu renuncio a satanás a todas as suas obras e seduções.
....Eu renuncio a lúcifer que é o príncipe das trevas, pai de toda a mentira e a todos os demônios e espíritos impuros que lhes servem.
....Eu renuncio ao espiritismo e a toda a sua malignidade.
....Eu renuncio ao curandeirismo e tudo que está diretamente a ele ligado.
....Eu renuncio a todo tipo de ocultismo e a toda forma de superstição.
....Eu renuncio a todas as falsas filosofias e falsas religiões e seitas como a Nova Era e outras, que não tem Jesus como único Mestre e Senhor.
....Eu renuncio a todos os falsos racionalismos e todas as falsas teologias que mascaram as Sagradas Verdades do Evangelho e atentam contra a fé.
....Eu renuncio a tudo que ponha em dúvida a presença VIVA de Jesus na Sagrada Eucaristia, onde Ele se encontra inteiro, em Corpo, Sangue, Alma e Divindade;
...Eu renuncio a tudo o que ponha em dúvida o sacrifício real de Cristo na Santa Missa.
....Eu renuncio a qualquer dúvida quanto a necessidade da confissão individual a um sacerdote;
....Eu renuncio a tudo que magoe o Coração Imaculado da Mãe de Deus.
....Eu renuncio a tudo que ponha em dúvida a autoridade do Papa Bento XVI;
...Eu renuncio a todo tipo de pecado, que fira a qualquer um dos mandamentos da Santa Lei de Deus ou da Igreja; 


DEFINITIVAMENTE, clara e conscientemente, com toda a força do meu coração ACEITO a Jesus Cristo, como o meu Salvador, meu Rei e meu único Senhor e aceito a Virgem Maria, como minha querida Mãe e Rainha. Eu sou lavado pelo Sangue precioso de Nosso Senhor Jesus Cristo! Eu sou purificado pelo fogo abrasador que vem do Espírito Santo. 
Com o Amor de Jesus, quero PERDOAR a todos os que me ofenderam! Com o Coração de Maria eu quero pedir PERDÃO a quem eu tenha prejudicado ou ofendido. Amém!
Orações de Exorcismo:


2. ORAÇÃO A SÃO MIGUEL:
São Miguel Arcanjo, defendei-nos neste combate, sede nosso auxílio e proteção contra as maldades e as ciladas do demônio! Instante e humildemente vos pedimos. Que Deus sobre ele impere; e vós, Ó príncipe da milícia celeste, por esse poder divino, precipitai no inferno a satanás e aos outros espíritos malignos que andam pelo mundo para perdição das almas. Amém
SAI DIABO!


3. PODEROSA ORAÇÃO DE SÃO BENTO
 ( CONTRA SATANÁS)





A Cruz Sagrada seja a minha Luz. Não seja o dragão o meu guia. Retira-te satanás. Nunca me aconselhes coisas vãs. É mau o que tu me ofereces. Bebe tu mesmo o teu veneno. Amém (3x) A bênção de Deus Todo Poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo, desça sobre nós e permaneça para sempre. Amém 
Eis aqui a Cruz do Senhor, fugi potências inimigas. 




VOCE JÁ COMPROU SUA CRUZ ( DE SÃO BENTO? )
A CRUZ DE SÃO BENTO JÁ VEM COM A MEDALHA


ESTA PÁGINA FOI COPIADA NA ÍNTEGRA DO SITE os gifs são meus: Silvania Maria
www.ultimasmisericordias.com.br

    ____________________________________________________________________________________







_________________________________________________________________

MENSAGEM PARA OS PADRES

EXORTAÇÃO PARA VOLTAR À VIDA DO EVANGELHO

EXORCISMO DE 5 de ABRIL de 1978  


Exorcista: Gere Ernest Fischer, missionário aposentado, Gossau (São-fel, Suíça.)  

Demônio: Verdi-Garandieu, um demônio humano.  
  
     Trata-se aqui do exorcismo do Abade Verdi-Garandieu, demônio humano, padre da diocese de Tarbes na França, que viveu no décimo sétimo século de nossa era, e que endereça esta mensagem patética, através da mulher possessa, para os irmãos dele no Sacerdócio, a fim de lhes pedir - por ordem da Trindade Santíssima e a da Virgem  Maria - a voltarem para a estrada estreita do Evangelho, e assim se prevenirem de sofrer no Inferno eterno o mesmo destino horrível que lhe aconteceu, por causa das infidelidades que ele cometeu em vida.   

            Antes de iniciar, o padre exorcista fez , como de costume nestes casos, inúmeras invocações aos Santos da Igreja Católica, Apostólica, Romana como de costume, em especial invocando ao grande São Vicente Ferrer, um grande adversário de satanás. Isso para sintetizar o que vem a seguir: São Vicente Ferrer, um exemplo de sacerdote a ser seguido! Verdi Garandieu um mau exemplo de sacerdote a ser evitado tenazmente, sob pena de perda eterna.  

     Assim, o demônio humano Verdi Garandieu vai falar por quase duas horas sem parar. Reproduzimos aqui apenas o texto da abjuração dele, feita por ordem de Céu, destinada para os padres de nosso tempo. Verdi Garandieu depois de ter mostrado que ele também se tornou "um demônio entre os demônios", de repente começa a clamar, dizendo: Foi uma coisa estúpida o que eu fiz, não correspondendo à graça e conduzindo a minha vida como eu conduzi! "

   
 Então, enquanto proferia gritos de terror através da voz da possessa, ele exclama:

        Por que eu me deixei conduzir por aquele caminho, porque? Por que eu aceitei ser admitido no Sacerdócio? Isto foi uma irresponsabilidade muito grande, uma vez que eu não era indicado para isto, pois não estava preparado para encarar as dificuldades, para me elevar até as alturas deste grande ideal! Por que eu dei mau exemplo, como milhares e milhares de padres fazem hoje, não agindo conforme meu sacerdócio? Por que eu não ensinei o catecismo como deveria ter feito?  

     Eu passei meu tempo olhando para os vestidos das mulheres, em lugar de cumprir as ordens de Deus. A verdade disto é: eu não era nem quente, nem frio, eu estava morno e Deus me vomitou da boca dele (Ap 3,16). Na minha mocidade, eu era ainda bom, e ainda correspondi um pouco, apenas para agradar."
    (Enquanto ele estava falando, nós ouvimos os gritos dele, pela mulher possessa.)  
     Posteriormente eu fiquei morno. Foi quando eu entrei pela estrada larga e fácil, a do prazer e do abandonado à estrada estreita da virtude, não respondendo nem para enfeitar nada mais, e dali em diante, eu caí cada vez mais baixo e mais abaixo.

     No princípio, eu ainda confessava meus pecados; Eu quis me mudar, mas não tive sucesso porque já não soube rezar adequadamente. Eu não respondi para a graça por causa desta tepidez, e aprofundei esta fase de frieza ainda mais adiante. Entre esta tepidez e a frieza, a distância é igual a de uma casca de cebola. Se eu tivesse sido quente e ardente, eu não teria conhecido este destino miserável.

      Se os padres de nosso tempo não se alertarem - Ah, bem! Eles sofrerão destino igual ao meu. Na atualidade, há milhares de milhares de padres no mundo que estão como eu estava, que dão mau exemplo, que estão mornos e que já não respondem à graça de Deus. E assim, se eles não se mudarem, terão um destino nada melhor do que eu, Verdi-Garandieu, tenho.

     Ah! Que destino eu tenho no Inferno! Se, pelo menos, eu não tive nascido. Se eu pudesse voltar novamente a vida! Ah! Como eu amaria voltar a terra para viver uma vida melhor! Ah! Como eu amaria passar minhas noites e meus dias cravando meus joelhos em oração, clamando pelo Alto! Eu invocaria os Anjos e Santos de Céu, para que eles me ajudassem a deixar a estrada a perdição, mas eu já não posso voltar, eu estou condenado (ele termina a frase em uma voz de grande sofrimento).

     Alias, os padres não sabem o que é estar condenado ao Inferno, e nem o que é o Inferno. Na atualidade, quase todos eles vivem apegados às coisas do mundo, e seguem a linha da menor resistência. Eles querem desfrutar os prazeres de vida. Eles imaginam que praticando o humanismo - como eles chamam isto - próprio da mentalidade do tempo deles, fazem algo que permanecerá para sempre.

     Os bispos, cardeais e abades igualmente, dão um exemplo que não é nada melhor que aquele seguido pelos subordinados deles. Acaso eles vivem de acordo com a simplicidade que  Cristo praticava nas refeições Dele e comem o tipo de comida que Ele comeu? Como diz o Evangelho, Jesus Cristo realmente participou de banquetes para os quais foi convidado, por várias pessoas, mas nestas refeições, não comeu quase nada ou muito pouco. E se Ele comeu um pouco durante um destes banquetes, era para dar ênfase ao exemplo de que muitas vezes, Ele escolheu passar de fome.

     A Sagrada Família e os Apóstolos, também jejuaram muitas vezes. Caso contrário, eles não teriam recebido todas as graças com que foram santificados. Jesus não precisou adquirir graças, desde que Ele era o Autor da Graça, mas Ele quis dar um exemplo, para os Apóstolos Dele certamente, mas também para todos os cardeais, os bispos e os padres dos séculos futuros. Mas fazendo o contrário, os cardeais de nosso tempo, os bispos e os padres se sentam nas refeições, em ambientes luxuosos e desfrutam pratos deliciosos.

     Eles avançam para a ruína da saúde deles seguindo este modo de vida, mas imaginam que isto lhes é obrigatório, devido à posição deles como bispos, cardeais ou provinciais. Os pobres cozinheiros deles, imaginam que porque estão servindo bispos ou as pessoas importantes, têm que apresentar coisas complicadas na mesa! Eles imaginam, almas pobres, que seria uma desgraça para eles se não pudessem trazer todos estes pratos à mesa. Eles esquecem, fazendo isto, que não estão ajudando os bispos a imitar a Cristo, coisa que já não mais os padres fazem. Seria melhor que estes cozinheiros pudessem dizer a tais personagens que o Cristo (também) comia, mas apenas para se manter vivo, e que Ele viveu muito mais simplesmente.

     Esses do Alto (ele aponta para cima) dão muito valor a tudo que está conforme a imitação de Jesus Cristo; e o que está acontecendo na atualidade é que tudo está completamente ao contrário da imitação de Jesus Cristo. Muitos vivem em refinamento, luxo e abundância, até o ponto do excesso, até mesmo ao estado de pecado. E o pecado tem freqüentemente seu começo à mesa. Pecado que começa lá onde o ascetismo deveria ser praticado, mas este ascetismo é rejeitado.

     A rejeição do espírito de sacrifício não é o pecado em si, mas é a porta aberta por onde o pecado pode entrar. É esta falta de ascetismo que lentamente conduz para o pecado. Entre os dois há somente uma casca de cebola. Se o padre não seguir os ensinamentos da Igreja, somos nós quem viremos para puxar pela borda da batina dele, para o conduzir pelo nosso caminho. Basta um pequeno fio da roupa dele, e nós já o levaremos seguro, ainda que só por um momento, mas com a esperança de levar o hábito inteiro.

     Por muito tempo, eu estava completamente decidido a me tornar um bom padre; mas deve ser dito que os padres são atacados por nós (demônios) muito mais que as pessoas comuns o são. Certamente, os leigos também estão em perigo, especialmente aqueles que decidiram ser justos, e esses que têm uma grande responsabilidade. Mas sabendo que o padre tem um grande poder de abençoar, nós damos preferência para atacá-los em primeiro lugar.

     Até o tempo em que eu estava preocupado em ser bom, eu me lembrava do que era ser um padre e, no princípio, exercia meu Sacerdócio responsavelmente. Então, com o passar do tempo achei aquilo muito monótono e, esquecendo da oração, também me esqueci do celibato. Eu eliminei a oração, primeiramente porque acreditava estar muito ocupado, e então passei a rezar apenas ocasionalmente, e então, finalmente, abandonei a oração completamente. Eu pensava que essas orações longas do breviário eram tediosas e inúteis e, no fim, eu perdi o gosto para oração.

     Quando eu larguei o breviário, logo entrei no pecado de impureza, e daquele momento em diante, não tive mais nenhum gosto por rezar a Missa. Era uma reação em cadeia. Quando eu entrei na impureza, foi que começou esta reação em cadeia. Então eu já não mais rezava devotamente a Missa, porque estava há longo tempo sem o estado de graça. Nestas condições, a leitura da Bíblia e do Evangelho, em particular, e também a visão das ordens de Deus, se tornou uma repreensão a mim.

     Havia uma chamada de consciência para mim nisso, e porque não prestei nenhuma atenção à esta advertência, eu deixei de ensinar as crianças, como era meu dever de os ensinar. Como eu poderia ensina-las sobre o Bem, se eu não o praticava? Mas esses que, hoje, se chamam de humanistas e modernistas, saibam que agem da mesma maneira que eu agia.

     Como eles podem impor às pessoas leigas, e às crianças, coisas que eles não crêem, nem praticam? Como eles podem ensinar as pessoas como devem ser, enquanto sabem que o ensino deles não está de acordo com a própria vida interior, pois eles estariam então, contando grandes mentiras? Dentro em pouco, e por estas coisas, o meu coração se tornou um abismo de morte. Há muito mais pessoas do que se imagina, que se acham neste estado. Elas são maçãs podres; como uma maçã podre pode emitir um cheiro bom? É somente um padre que se esforça para atingir a virtude, que pode tocar as almas e pode lhes dar o alimento que elas precisam.

     Se todos os padres fossem bons exemplos de virtude, em particular para os jovens, nós teríamos um mundo completamente diferente do que temos. Teríamos um mundo mil vezes melhor do que o que temos na atualidade. Como você pode querer esparramar o Bem se você não tiver isto em você? Como eu posso falar do Espírito Santo, se eu estou feliz por não O escutar? Como se pode mostrar o caminho a seguir, quando a pessoa partiu sem o Espírito Santo? Isto é uma tragédia muito maior do que você pode imaginar.  A tragédia começa no exato momento em que o padre deixa a estrada de virtude, depois do que ele é tentado a arrastar muitas almas atrás de si.

     Isto começa com o Santo Sacrifício da Missa, que é celebrada do princípio ao fim sem qualquer gosto para isto. Por conseguinte, nenhum benefício pessoal é recebido. Por todas estas coisas, eu desenvolvi uma grande aversão pela Missa e por seus textos sagrados que, para alguém que está se comportando mal, são uma repreensão permanente.

     Em meu caso, como para milhares de outros padres, havia a Transubstanciação que permite ao crente a verdadeiramente participar da Massa, pelo menos. Porque estas pessoas não conhecem a profundidade do coração de um padre; mas o que acontece com padres nesta condição, é que já não dizem o que deveriam dizer, capaz de assegurar que a tal Missa seja válida, se eles já não vivem por isto!

     É tomado de aflição qualquer um que conduz o crente pela estrada do erro. Estes padres fariam melhor se gritassem publicamente do alto do púlpito: "Eu pequei. Eu há muito tempo sou incapaz de praticar a virtude. Rezem por mim, de forma que eu possa me converter, e assim possa voltar a ensinar os caminhos da virtude." Falando deste modo eles se tornariam muito melhores, e nós demônios já não teríamos este poder para dominar os padres, porque eles teriam feito com isto um ato de humildade.

     Seria melhor até mesmo se algumas pessoas criassem um certo desprezo por um padre que falasse deste modo. Porém, a maioria dos ouvintes seria edificada pela humildade dele e poderia ajudá-lo a voltar. A maioria dos crentes teria respeito por um padre que se expressasse desta maneira; isto seria muito melhor, do que continuar no caminho da mentira e da hipocrisia.

     Como pode alguém que está celebrando a Missa desta forma, encarar as pessoas de frente e lhes falar: "Venham para perto! Deus perdoa todos os seus pecados. Ele os entende. Venham ao Pai de Luz! E se vocês estiverem na escuridão, Ele os devolverá novamente à graça”?. Todos eles esquecem que algo deve ser feito anteriormente, para que o Pai os leve de volta nos braços Dele, por os devolver à Sua graça.

     Sim, é verdade que o Pai leva de volta as crianças aos braços Dele, mas antes disto acontecer, é necessário que eles se arrependam e prometam mudar a direção das suas vidas. É necessário evitar as estradas que conduzem à perdição.

     O padre deveria pensar: "Eu tenho que começar comigo”. Este seria o único modo para ser um modelo para cada um, e poder pedir o ensinamento do Espírito Santo e de Jesus Cristo para a comunidade inteira. Isso também seria sua missão! O mais Alto considera que eu devo rezar, e devo levar as outras pessoas a fazerem o mesmo.

      Muito é falado sobre o amor ao próximo, enquanto se esquecem que este amor é o resultado do amor que se tem por Deus. Como posso eu falar em amar as pessoas, o vizinho, vivendo mais próximos uns dos outros, se a pessoa esquece da primeira ordem, a ordem principal: "Você tem antes que amar a Deus com todo seu coração, com toda a sua alma, com toda sua força". O diretiva de amar seu próximo, só entra em segundo lugar.

     Se o padre fosse ele mesmo, primeiro buscar a paz com Esses do Alto (ele aponta para cima), o amor ao próximo começaria a fluir imediatamente. É a mascara maçônica que diz: "É necessário amar um ao outro, ajudar um ao outro, apoiar um ao outro". Mas para onde tudo isso conduz? Até mesmo se a pessoa fala somente de caridade, ou de perdoar, ou de apoio mútuo, vejam os resultados, se haveria o número dos suicídios atuais. 

     É verdade que há uma ordem para amar seu próximo como a você mesmo, mas isso vem depois de um honrar e adorar a Deus, em primeiro lugar. É necessário começar pelo início desta ordem, e amar a Deus primeiro, o que na realidade inclui o amor ao próximo. É cumprindo a primeira parte que a ordem inteira é seguida. Se uma pessoa amasse a Deus verdadeiramente, ela não falaria incessantemente sobre amar o próximo, enquanto continuaria apoiando e ajudando o seu irmão.

     Mas na verdade não acontece assim. Eles tagarelam sobre tudo o tempo inteiro, desde as salas da paróquia, até às conferências dos bispos, e até mesmo em Roma. Eles tagarelam tudo, eles discutem, eles decidem algo, mas se esquecem do principal. Eles querem somente, é acatar tudo, de certo modo, o que Esses do Alto (aponta para cima) não concordam.

     Esse do Alto (aponta para cima) não só é Clemência, eles é também Justiça, e eu, Verdi-Garandieu, sabia disso, e é o sobre isso que estou falando! Se eu tivesse exercitado a virtude, rezado, me penitenciado, eu não teria aprendido isso, do modo terrível que eu sei agora. Teria me obrigado a pedir cruzes, para ajudar as minhas ovelhas, para me santificar e também santificar a elas; mas eu esqueci de pedir essas coisas. 

     Por vezes, a maioria dos padres se esquece, de que é necessário pôr em prática o caminho da cruz, ser abnegado, rezar pelos outros, e se esquecer de si mesmo. Por outro lado deveria ser proclamado, do alto dos púlpitos, para nossos fiéis, que eles devem fazer penitência, fazer reparação e tirar para fora da sarjeta esses que estão se espojando lá na atualidade. Este seria um modo de Caridade praticante em seu verdadeiro sentido.

     Estar seguro, tem sua importância, mas tudo isso afunda no pó, mais especialmente porque o próprio Deus prometeu nos dar o que precisamos para viver, particularmente em nossa era onde são dispensadas coisas materiais de um modo tão notavelmente organizado. Isso é por que elas não devem ser a meta principal de nossa caridade, mas os meios que nos permitem ter acesso para aquilo que é de Deus.

     Certamente, é necessário ajudar àquele que está em necessidade, mas não devemos fazer somente isso, até o ponto de colocarmos as coisas de Deus de lado. Seria preferível prestar a atenção às pessoas do alto do púlpito, para bem conduzi-las: rezar para fulano de tal que se acha em grande dificuldade espiritual, e portanto em grande perigo; lhes pedir que acendam uma vela benta, ou fazer uso da cruz, a cruz do crucificado e de "água benta, não esquecendo do Rosário para trazer ajuda do Alto para esta pessoa.  Tudo isso traz bênçãos para os leigos e floresce neles, na discrição e no silêncio. E nós (demônios), quando nos confrontamos com tais coisas, temos  que nos retirar para outros afazeres.

     Deveriam os homens ser lembrados do alto do púlpito, que é necessário levar a religião a sério, se sacrificar uns para com os outros, para manter a perseverança em cada coração, e assim manter os homens no caminho da virtude.

    Para as pessoas leigas deveria ser falado também que eles têm que rezar para os membros do clero e para todos os que têm altas responsabilidades, para que eles possam ser preservados no serviço de Deus e não venham a cair nas armadilhas do demônio. Eles têm que rezar para os padres guiarem bem os fiéis. Também, eu sou um padre, e é por isso que eu sofro terrivelmente no Inferno por causa da marca de minha consagração.

     Os padres também deveriam pregar cheios de ardor para os fiéis, e do alto do púlpito, pedir-lhes para rezar por eles, e deveriam dar a conhecer aos fiéis que os demônios estão os atacando muito mais fortemente que do eles acreditam. Eles deveriam rezar para os padres, para que eles possam perseverar no seu ministério e na direção certa, e seguir assim até a hora da morte. Também é necessário as pessoas leigas rezarem uns para os outros, para que eles possam continuar na estrada de virtude e de tudo o que é bom, não só ocasionalmente, mas todo o tempo.

     Esta é a tragédia de milhares e milhares de padres e pessoas de alta posição, que assim cresceram como tenras ervas daninhas. Sem lutarem, no momento de tentação, eles são pisoteados pelo demônio, como Jesus Cristo nos mostrou no Evangelho: porque ou lhes falta sol ou chuva, ou porque o sol os chamuscou. Isto acontece cada vez mais com as pessoas leigas do nosso tempo, que são conduzidas para longe da estrada correta, pelos padres, que lhes falam que isso já não serve mais para nosso tempo ou que mudou a lei. Entre eles todos (os padres e as pessoas de posição) é comum achar alguns que praticam ainda grandes virtudes, então de repente, eles murcham porque não estão suficiente, e profundamente arraigados na terra boa.

     Sou eu, Verdi-Garandieu, que está lhes falando, que é necessário constantemente rezar, de forma que os padres e as pessoas de posição possam continuar perseverando. É em particular necessário os padres saberem – e deve ser anunciado do alto do púlpito – que a oração é mais do que essencial em nossos dias. É necessário lembrar que a perseverança ao longo da estrada da cruz, é a lei de felicidade, porque assim ele poderá vencer as tentações, pois desta forma está se colocando na estrada que leva para o Céu.

     Em particular, deve ser falado para as pessoas que são pobres, que eles têm que estar contentes, e suportarem a este infortúnio passageiro, porque assim, mais tarde, eles estarão profundamente felizes no Céu. Até mesmo se o pobre tem que agüentar privações, estas coisas são, todas, muito consideradas, ainda mais os longos jejuns e sacrifícios que forem bem aceitos (sem reclamar), como por exemplo, os do Cura de Ars, e outros grandes Santos, porque isso os conduz pelo bem, até o fim da vida deles. É necessário falar aos pobres que eles devem agradecer a Deus o lugar no qual Ele os colocou, porque a aceitação da pobreza pode ajudá-los a imitar melhor a Jesus Cristo.

     Agradeçam ao Bom Deus, porque conforme o tipo de pobreza que você tem, você tem também muito menos tempo ocioso, porque tendo que trabalhar o tempo todo, terá menos tempo para sucumbir às tentações. Esses que estão dotados de uma família grande, e os que, como conseqüência, têm muitos filhos para educar e alimentar, tem que agradecer ao Bom Deus três vezes por dia, porque nestas circunstâncias, eles têm toda chance de escapar dos prazeres do mundo e de se prepararem melhor para o Reino do Céu, onde o lugar deles está reservado.

     Quando o quarto filho nasce em algumas famílias, então acontece um drama para o casal, para as pessoas que o cercam e para a própria família. O que será feito? O que é verdade para o quarto filho é verdade para o segundo ou o terceiro; e, infelizmente, os padres caem em espírito de entender errado, quando estas reclamações são apresentadas a eles e concordam que o fiel pode fazer uso da pílula para evitar os filhos. O fiel não percebe o perigo no qual eles estão se pondo, porque entre a tomada da pílula  - que já é uma falta grave – e o aborto – uma falta ainda mais grave - a distância é muito curta

     ABORTO É ASSASSINATO e, por conseguinte, um pecado gravíssimo. Por muitas vezes, as pessoas estão pouco dispostas a aceitar a verdade, acreditando naquilo que foi anteriormente aceito por milhares e milhares de séculos. Assim, até mesmo se Deus não castiga imediatamente, como Ele castigou o crime de Onan, nosso Deus considera que os meios de controle de natalidade são tão pecaminosos quanto qualquer coisa que é na Lei, determinada. Você pouco imagina então, o que Ele pensa do aborto! Porque todos estes erros estão ao contrário do plano de salvação concebido por Deus.

     Então, assim eu Verdi-Garandieu, sou forçado a contar estas coisas para todo o mundo, bispos, cardeais e padres que eles devem, do alto do púlpito, anunciar o que?: Sigam o modo de Deus, na abnegação e no sacrifício, onde há a possibilidade da graça. Onde não há nem sacrifício nem abnegação, nenhuma graça é possível. E onde há abnegação e sacrifício, a brecha é muito menor para nós, para com a nossa malícia, oferecer a eles a chance de nos tornarmos muito cedo nos seus mestres. Esta pequena brecha é bastante para nós virarmos a casa inteira, que é o que aconteceu na atualidade com todas suas igrejas, que já viramos de cabeça para baixo.

      “É necessário pregar Santas Missões novamente às pessoas, e orar novamente a elas, não do coro, mas do púlpito, como nós já dissemos antes. Há algumas igrejas onde as pessoas têm que descer o olhar para achar o padre, em lugar de subir e, imediatamente, as pessoas são distraídas na atenção, porque o olhar delas não é dirigido para cima, mas para as distrações que abaixo abundam, e às vezes ficam assim por longo tempo, voltadas completamente para nosso lugar. Estas Missões populares deveriam ser pregadas com vigor porque quando a estrada da virtude é apresentada deste modo direto e contundente, é uma chuva de graças que está sendo oferecida às pessoas.

     A influência de um padre que vive de acordo com as leis de Deus é enorme, e é o que pode ser notado na vida do Cura de Ars. O Cura de Ars não economizou almas escapando em viagens, comendo comida muito boa, assistindo a todos os tipos de conferências, mas permanecendo no quarto dele e em frente ao Santíssimo Sacramento, que é além do mais, o que eu, Verdi-Garandieu, deveria ter feito. Em vez disso, eu negligenciei meus deveres pastorais com respeito a minha paróquia, e me conduzi desta maneira, por este caminho. Em nosso tempo, deveria haver milhares e milhares de Curas de Ars, e se eles já não existem, então os homens deveriam estar pensado nele, como exemplo a imitar.

     É isso que eu, Verdi-Garandieu, sou obrigado dizer: os padres têm que evitar contato habitual com mulheres e têm que recitar o breviário inteiro. É um fato que, se os padres não disserem o breviário, eles estão em grande perigo de sucumbir à tentação; por outro lado, se eles recitam isto, o mais Alto, Ele os ajudará a superar isto, porque os padres são sujeitos a grandes tentações em relação ao sexo. É notável que, até mesmo quando o padre entra em pecado, e apesar disso, recita o seu breviário, o mais Alto lhe dá a chance de continuar o ministério dele, e de ser um instrumento lucrativo para os fiéis.

     Devo dizer a todos esses que são sujeitos a grandes dificuldades, que eles têm que perseverar, na esperança, e ouvir o que Deus têm a dizer, porque Deus ama a todos que O amam, particularmente em uma era onde os meios financeiros permitem aos homens se protegerem a si mesmos contra o sofrimento. Deve ser repetido freqüentemente, do alto do púlpito, que eles têm que pôr sua confiança em primeiro lugar em Deus, para poderem lutar contra as tentações e as suportar.

     Na atualidade, a este ponto deveria ser dada muita ênfase e evitado, porque esses meios financeiros são uma ocasião de fraqueza, especialmente nas comunidades paroquiais, e porque, o fácil, e o que dá prazer na vida dos padres, e até mesmo dos bispos, não os conduz para a imitação de Cristo, mas sim para a perda das suas almas.

     Como pôde o Espírito Santo entrar nas almas, se o padre nutre modos de vida  fácil, não dando para as pessoas a compreensão do pecado e oferecendo prospectos luminosos diante deles, dizendo que Deus é misericordioso e perdoa tudo muito facilmente, sem a necessidade de eles se arrependerem e penitenciarem? Deve ser gritado de cima de todos os telhados que o caminho da Cruz é requerido pelo Céu. É seguindo a Cruz de Jesus Cristo, que ele pode ajudar melhor ao próximo em sua salvação, porque o Bom Deus faz uso desta penitência; ou melhor, o Bom Deus faz uso desta penitência para ajudar na salvação do próximo. Porque se a pessoa levar a cabo a primeira parte da ordem de Deus, ela também leva a cabo a segunda parte da ordem do Amor: Amar ao próximo!

     Será amor de verdade e será respeito a Deus, celebrar a Missa estando em frente das pessoas, como se fosse se dirigir às pessoas e não para Deus? Os padres têm que rezar as Missas de tal modo que reconheçam que é exclusivamente à serviço de Deus e a honra de Deus que estão buscado por este Sacrifício. Todo o resto é complementar ou adicional; os padres rezam com o pensamento distante, voltado para as coisas da vida cotidiana. E falam sobre amor ao próximo, em geral ou em particular, esquecendo que é o amor de Deus que conduz ao verdadeiro amor ao próximo e esta a verdadeira prática da caridade.

     Este modo de ação e este comportamento vai, pela prática da abnegação e da penitencia, provocar a salvação de milhares e milhares de almas, se as pessoas verdadeiramente se fixarem nisto. Por não procederem assim, muitas almas estão caindo, como flocos de neve no Inferno, como as almas privilegiadas – santos e profetas da nossa Igreja Católica – têm tão freqüentemente lembrado.

     Se os bispos e padres persistirem neste caminho, mantendo esta situação desastrosa, haverá milhares e milhares de igrejas, já não será UMA Igreja, situação que já está acontecendo agora. Para milhares e milhares de fiéis, os sermões atuais nas igrejas são justificações por permanecerem superficialmente no serviço do Deus; por conseguinte eles são instrumentos de morte, desde que não conduzem diretamente ao Céu e não fazem as pessoas pensar nisto.

     Tudo isso aconteceu porque o próprio padre tem modos descuidados, e já suas vidas não seguem a primeira ordem, de amor a Deus. Tal pessoa está como uma maçã com um verme dentro, e ele, nem de longe é o guia, do modo que ele deveria ser. Se os bispos, padres e abades tivessem vivido seguindo as leis determinadas por Deus, vocês não teriam esta catástrofe que vocês vêem agora em Roma. Do contrário, o Senhor não teria tolerado que alguém diferente de Papa Paula VI pudesse fingir reinar em o nome dele.

     Este estado de coisas, que além do mais se esparramara fora do Vaticano é trabalho da maçonaria. Mas se, em todos lugares do mundo, milhões de fiéis se tivessem unido em exercícios religiosos, para rezar e se penitenciar, e ao mesmo tempo pedir a Deus que os tirasse desta situação, o Céu teria prevenido, não teria permitido esta catástrofe. Se tivessem havido as cruzadas de oração, Roma ainda seria Roma!

     Eu tenho que dizer isto também: Eu tenho que dizer a milhares e milhares de padres atuais, que as mulheres podem se tornar a queda deles, e que isto não aconteceria se eles se armassem com oração. Se os padres rezassem o breviário e se nutrissem na doutrina dos Doutores da Igreja, como resultado desta oração, teriam grande conhecimento dos homens, e as coisas iriam diferentemente para eles; considerando que, se não fazem isto, eles estão entre os milhares e milhares de padres que hoje estão vivendo em pecado mortal.

     Milhares de padres estão vivendo fora do estado de graça, e já não rezam o breviário, da mesma maneira que eu fiz.  Se só, ao menos, eu tivesse chamado o meu Anjo da Guarda para me ajudar; mas não, eu rejeitei todos os meios que teriam permitido me salvar, e seguindo este modo errado de vida, eu negligenciei ensinar as pessoas jovens realmente. E ainda, eu quase não era tão ruim quanto o que está acontecendo hoje com os padres e as pessoas jovens. Esta advertência deveria ser luz para os padres que estão a caminho da perdição.

     Antigamente ainda havia muitos padres que eram alertas, para a própria santificação, mas hoje eles adotaram a estrada larga que é, ao mesmo tempo, a estrada para perdição. Se não são rezadas orações por eles, se os sofrimentos das almas penitenciais não sobem em defesa deles, e não buscam obter graças por eles, os padres estão perdidos. Isso parece incrível, é trágico, mas me obrigam a que conte isto, pois assim o é.

     Ainda é mais trágico, porque nosso Deus não é um Deus que se assemelha a um "papai de açúcar". Ele criou leis e estas leis são eternas. Elas devem ser obedecidas, e o fiel não deveria escutar esses do clero que mudam de defensor, porque não é o clero que fixa as leis, mas Deus, e as leis Dele permanecem em vigor eternamente. Não é por nada que Deus fez ser anotado no Evangelho que é melhor entrar no Reino de Céu cego de um olho, que ter ambos os olhos e cair no Inferno.

     Realmente é por seguir as próprias idéias, que o padre muitas vezes se perde e cada vez mais. Nestes dias, os padres não mortificam seus sentidos suficientemente. Eles recebem nos corações muitas imagens que são constrangimentos para sua vida interior. Isto começa com a televisão, e continua nas atividades da paróquia onde as mulheres são agora numerosas.

    Antigamente as mulheres na igreja tinham as cabeças cobertas. Isso hoje acabou, e não se encontra mais. Então por que virar o altar para estar em frente das pessoas? Eu, Verdi-Garandieu, costumava rezar a Missa virado de costas para as pessoas, e mesmo assim eu ainda fui seduzido pelas mulheres; os padres de hoje, com a Missa dita virado para as pessoas, tem ainda mais tentações que eu tinha.

     Não é por nada que Deus, no Evangelho, disse que é melhor entrar (no Reino) sem um olho, ou com só uma mão, ou só um pé, que entrar no tormento terrível de Inferno com ambos os olhos, duas mãos e ambos os pés. Os padres acaso poderiam acreditar que hoje o Evangelho perdeu seu sabor, e que eles podem mudar isto dando-lhe um gosto doce? Ou acreditam que Jesus falou isso apenas para os homens que então estavam em Sua presença? No tempo Dele, todos usavam roupões longos. 

     Não ocorre aos padres que talvez Ele poderia ter falado mais para as pessoas de nossa época, onde a perdição está sendo esparramada cada vez mais por meios técnicos, e onde ninguém é capaz de ter noção do que está acontecendo? Isto é como um forno ardente de perdição, que não pode ser extinguido pela chuva, nem pelos esforços de um pequeno número de padres bons, que ainda estão lutando aqui e lá. Como os maus não se sentem compelidos a mudar?

     Deus, muitas vezes, Se endereça para a liberdade de cada um. Além disso existe a Bíblia, e o Evangelho em particular; e também todas as mensagens que constantemente recordam as diretivas que foram determinadas pelo Senhor. Se as pessoas recusarem a escutar, o Céu não pode fazer nada sobre isto, especialmente se as pessoas estão se divertindo, adaptando o Evangelho ao próprio gosto particular.

     Se todos estes clamores são lançadas ao vento, o que pode fazer Céu neste caso? Como pode a graça se tornar possível se os livros Sagrados já não são mais lidos de longa data, ou livros sobre os Santos, por exemplo a vida de Ana Catarina Emmerich, ou do Cura de Ars, ou até mesmo o de Padre Pio que deu um grande exemplo para nossas vidas? Cada um destes Santos é um exemplo, do mesmo amor para o sacrifício, de privações por amor dos outros. A penitência destes Santos foi sobremaneira aceitável ao mais Alto.

     Ele quis ser justo, ao prepará-los a fim de aceitar mais reparações, ainda mais sacrifícios, tudo para a conversão das almas. O Bom Deus amaria freqüentemente se as pessoas fossem capazes de declaração para Ele, assim: "Eu aceito os sofrimentos que Vós me enviais. Dai-me a graça de suportar tudo isto para a conversão deste ou daquele." Mas em geral, deve ser dito que quando o Deus envia sofrimentos, muito freqüentemente os cristãos os rejeitam com horror e com toda sua força. Eles freqüentemente fazem de tudo para evitar o sofrimento. Deveriam até os padres viver deste modo e aceitarem isto cheios de grande fé.

     Todos esses que rejeitam o sofrimento e só buscam eliminá-los, não estão vivendo em conformidade com a primeira ordem de Deus. O melhor modo para se conformar com a vontade de Deus é dizer: "Não a minha, mas a Vossa vontade seja feita!” E assim, unindo a si mesmos à Agonia de Cristo, seria o melhor modo de honrar o amor de Deus. Se o ato de sofrer estivesse unido com aceitação da vontade de Deus, isso teria um enorme valor.

     Excruciantes como certos sofrimentos podem ser, se unidos com os de Cristo, eles seriam meios de santificação e de reparação para os pecados dos outros. Eu estou falando em todos os tipos de sofrimento, como os que às vezes são inerentes ao estado do matrimônio e como eles são rejeitados na esperança de que um dia, talvez, a pessoa possa se separar do outro pela morte, mas se suportados, estes sofrimentos realizariam grandes reparações. Milhares e milhares de pessoas poderiam sofrer pensando nos outros então estes sofrimentos oferecidos não seriam em vão.

     Tudo isso é hoje completamente esquecido na Igreja católica. Muito raramente é mencionado no púlpito, e isso se aplica à todos os lugares. A imitação de Jesus Cristo e a solicitude para a salvação do próximo, das pessoas, são as coisas mais importantes. O resto é secundário, mas isto é amar ao próximo como a você mesmo, em toda parte.

     Se o Cristo voltasse ao vosso meio, haveria milhares e milhares de pessoas que olhariam novamente para Ele como um revolucionário e um louco. Todos esses que estão empenhados em seguir a Cristo hoje são olhados como tolos. Em vez de se elevarem até as alturas, as pessoas estão abaixando até as profundidades, e tantos padres já não estão mostrando estas verdades, porque elas são uma repreensão para suas vidas, e porque eles já não estão vivendo pelos outros. Se praticassem a virtude, eles poderiam exigir muito mais das pessoas. Como eu posso pensar que outros poderiam querer o que eu não me quero?

     É um estado verdadeiramente trágico o que se está vivendo agora na Igreja católica. Isso se aplica aos padres e aos cardeais de Roma. Se os padres fossem viver igual Cristo e os Apóstolos, eles seriam almas iluminadas junto ao Bom Deus, que lhes mostraria uma estrada muito mais segura. Como São João Batista e Jesus oraram no tempo deles, eles devem então se converter e devem se penitenciar.

     Muitos padres estão lutando hoje em dia contra o bem, porque eles viraram na direção de mal. Eles já estão na rodovia larga que conduz ao abismo. Isto é o que os padres deveriam anotado direto na face, mas até certo ponto o seu modo de agir e a psicologia lhes indicam que só se preocupem pelo bem-estar. Não é uma boa coisa a lhes dizer que eles são maus, mas que façam uso da psicologia, para voltarem a ser o que deveriam ser.

     É necessário fazer perguntas na presença deles, sobre isso tudo, muito discretamente, para descobrir se eles deixaram de rezar ou não, e os trazer à compreensão de que as coisas de Deus só ficam claras pela oração, da mesma maneira que a solicitude para a salvação das almas. Já para esses que são mais capazes de aceitar a crítica, a pessoa poderia ser direto com respeito a estas coisas, e, talvez, a graça de Deus os devolvesse novamente. As naturezas são diferentes. É necessário adaptar a si mesmo de acordo com o que a pessoa está enfrentado, da mesma forma que Padre Pio fazia.

     Alguns entre os padres são talvez vítimas da ignorância, mas a maioria sabe muito bem do estado de deficiência em que eles caíram; fazendo-os lembrar da vocação deles poderia ser talvez um modo de os levar para a estrada direta que leva a Deus. Tudo, sem exceção, deve ser feito, para conduzir as almas a Ele. Mas eles devem estar interessados nisso, e muito melhor, seria se eles fossem pela estrada da abnegação. É mesmo, muito verdadeiro que eu preferiria permanecer calado, e só porque Esses do Alto (ele aponta para cima) estão me ordenando a revelar e recordar tudo isto, para anotar, embora eu esteja no Inferno, no qual eu nunca pensei que cairia.

     Que sofrimentos eu sofreria, em meus joelhos, para a defesa de meu rebanho, se eu pudesse voltar em terra! Eu aceitaria o martírio pleno para salvar meu rebanho, e várias vezes se preciso. Eu aceitaria isto voluntariamente e com a maior devoção, se este fosse  vontade  dEsses do Alto (ele aponta para cima). Minha meta principal seria em primeiro lugar levar a cabo a primeira ordem – amar a Deus sobre todas as coisas – e buscar meios de honrar isto e me fazer merecedor desta ordem. Eu pediria para o bom Deus que me iluminasse, sobre a vontade Dele relativa a minha pessoa.

     Há um princípio que diz que, quando em dúvida, a pessoa deveria escolher o modo mais difícil. Os padres e os seus fiéis têm qualquer pensamento voltado a este princípio? É só um provérbio. Deus não disse isto, mas serve bem à esta situação. Milhares de padres estão na estrada da perdição porque eles escolheram a estrada mais fácil. Sim, eles escolhem o modo da menor resistência. Esta maneira de ação não agrada aos olhos de Deus.

     É necessário saber, prestando atenção ao apóstolo São Paulo, como distinguir entre as possíveis soluções, e escolher a melhor. É essencial rezar ao Espírito Santo, como Belzebu, Judas e todos os outros demônios já disseram, antes de mim. Todo o mundo tem que se esforçar para reconhecer a verdadeira vocação dele, porque o Senhor tem um plano preciso para cada pessoa. Já altamente considerado diante de Deus, por causa do seu estado sacerdotal, o padre também deveria se apresentar ante os homens com uma grande autoridade. Ele tem que atraí-los para si, e tem que fazer-se estimado por eles pelo próprio exemplo, para que os fiéis vejam que ele está seguindo aquilo que prega, e está verdadeiramente em sintonia com a sua vocação.

     Há necessidade de o fiel ver diante dele, alguém que lhe dê exemplo, e não alguém que o conduza à perdição. Que se dirá de alguém que, a despeito e apesar de ser um padre, viva o caminho da perdição? Deveria haver também uma grande distância entre o padre e o leigo. O mais Alto sempre quis assim, porque o padre é uma casa tesouro de bênçãos. O padre deveria fazer as pessoas pensarem neste Pai do Céu e em Jesus Cristo, e por isto, deveriam atrair para Deus o respeito do fiel. Ao longo da vida dele, ele tem que lembrar incansavelmente a grande majestade que a Divindade representa, e tem que acreditar que nós temos o dever para adorar a Ele e viver para Ele, e agir como Ele manda.

     É algo que deveria ser ensinado desde os mais tenros anos. Crianças, até mesmo os muito jovens, devem ser conduzido nas igrejas de tal um modo que, ao passar em frente ao Tabernáculo, eles adquiram o hábito de genuflectir com a maior devoção; eles devem ser levados a adorar o Santíssimo Sacramento, com orações tais como: "Bendito e adorado seja o Santíssimo Sacramento do Altar." As crianças deveriam ser convidadas a invocar aos Anjos e aos Santos, de forma que eles possam ajudá-los a adorar a Divina Majestade e a grandeza da Trindade Santíssima nos mais céus altos. 

     O que será de uma Igreja na qual ninguém mais é capaz de longas adorações da Trindade Santíssima, feitas com o coração? O que será de uma Igreja na qual Deus presente é posto de lado, e na qual é negada a sublimidade da Trindade Santíssima cuja adoração é absolutamente essencial para estar agradando ao Todo Poderoso do Céu? Se os padres não fizerem isto, nenhum mais, pelo menos os pais deveriam estar fazendo isto com as próprias crianças. A pessoa nunca deve deixar de pregar esta verdade: que Deus deve ser adorado, até mesmo se ao redor nenhum outro o faça, caso contrário o estado das almas se torna muito ruim e muito afligindo. 

     Deveria ser conhecido que, quando as pessoas sofrem, elas devem aceitar isto, e é necessário agradecer a Deus o triunfo que Ele saberá extrair para nós desta dificuldade. Deus deveria ser agradecido de joelhos pelas pessoas, pelos sofrimentos que Ele nos envia, para nos fazer melhores e nos conduzir no caminho da virtude. Esses que fogem das dificuldades e dos sofrimentos são sentenciados a perder a virtude. Nos últimos séculos, sempre houve padres que estiveram à altura da vocação deles. E, também hoje, os há! Por outro lado, há alguns que estão vivendo do mesmo modo, em circunstâncias muito humildes; porque eles levam a paz de Deus aos corações e assim eles ultrapassam todo o mundo na terra.

     Que adianta um homem ganhar o universo, mas se vier a perder a alma dele? Eu, Verdi-Garandieu, tenho que dizer, que nossa era é muito mal iluminada neste assunto. Estamos, decididamente, em uma época onde não há nenhum amor ao próximo, porque a Igreja fixou errado o que seja este amor ao próximo. O verdadeiro amor ao próximo começa com preocupação pela alma dele, e não com a preocupação com o corpo dele. Não seria melhor para os homens perecerem de pestes e guerras, e ainda sofrer todos os tipos de dores, levando entretanto suas almas a adquirir a glória de Deus?

     Por causa disso, homens que vivem no luxo e nos prazeres terrestres estão em grande perigo de perder as suas almas. Caridade do tipo maçônico tem o cheiro da decadência. É a perdição de tantos almas porque verdadeiramente não é amor ao próximo, mas algo que vem da hipocrisia. Se eles (os padres) soubessem em que perdição eles estão se metendo, (ao se envolverem com a maçonaria) eles se apressariam a ficar longe deste tipo de conversa fiada e falariam completamente diferente.

    É óbvio que se deve ajudar aos outros materialmente, especialmente se eles estão sofrendo muita miséria, mas esta não é a coisa principal. A coisa principal é permanecer fiel à Doutrina, a qual se tem que defender, e não vender a própria alma. Para praticar o amor ao próximo é preciso conduzir este próximo pelo caminho certo. Ai! Milhares de padres, dirigidos pelos seus bispos e cardeais, impuseram deste modo na Igreja uma falsa caridade, e fazendo isto, eles alteraram a forma da verdadeira virtude, e esta não foi a que Deus determinou.

     Isto é porque o verdadeiro amor ao próximo nunca está presente sem antes a grande solicitude para com a alma deste próximo. Até porque fazendo-o sofrer lhe falando e lhe mostrando a verdade, também isso é ser praticante do amor ao próximo. Mais tarde, ele vai reconhecer que isto era, realmente, a medicina certa.

     O padre, do alto do púlpito, deve, no idioma dele, fazer o uso da vara e ser muito duro em determinadas palavras, porque justiça existe na eternidade; e porque Inferno existe, mas sobre o qual eles nunca falam, desde que já não acreditam nisto. Eles igualmente já não acreditam no Céu, embora esta seja a realidade suprema. Se eles acreditassem nisto, não seriam milhares, justo eles, as principais pessoas a estar no erro, quando eles é quem  deveriam estar conduzindo os fiéis para Céu.

     Que tipo de padres temos nós hoje? Eu não falei, no meu tempo, de uma forma tão desprezível quanto eles fazem hoje. Eles estão correndo para a perdição e o lugar deles no Inferno já está preparado (o demônio grita esta última observação).

     Mas o que eu estou dizendo agora, eu estou falando tanto para os cardeais, os bispos, e os padres, como para as pessoas leigas. Se todas estas pessoas soubessem a situação caótica na qual eles são emaranhados, eles diriam mil vezes 'mea culpa' – e bateriam no peito mil vezes. Eles se levantariam pelo pescoço e pelo pescoço arrancariam estes vermes que estão lhes corroendo as almas. Eles não deixariam de arrancar estes vermes, para os impedir de esparramar-se em todos lugares. Eles deveriam usar alicate incandescente, para destruir estes parasitas que estão trabalhando tanto pela destruição de suas almas. Eles deveriam pôr imediatamente em prática a primeira parte da ordem de amor, e depois disso, o amor ao próximo.

     O verdadeiro amor ao próximo não é manifestado por presentes, porque até mesmo com estes presentes, o próximo ainda pode estar sendo mantido na estrada do Inferno. Isso é o que me obrigaram a dizer, e isso é o que explica por que, por muito tempo, eu recusei a dizer meu nome. Mas Esses do Alto (ele aponta para cima) me forçaram a falar, porque eu tive este destino porque eu não levei a cabo meu sacerdócio como deveria feito.

     As dificuldades do Sexto Mandamento, eu tenho que dizer ainda, junto com a luxúria se tornaram meios de perdição de muitos padres. Se eles fossem reconhecer esta imensa tragédia, eles sacrificariam à última gota do sangue. Eles teriam uma imensa tristeza por tudo que aconteceu, e voltariam logo a enquadrar-se. Eles chamariam para a salvação deles, todos os Santos e Anjos, de forma que os poderiam ajudar a achar a verdadeira estrada novamente, porque na eternidade de Inferno o fogo é contínuo, e o verme corrói para sempre a sua alma. Esta imensa dor, esta tragédia horrível do Inferno, será para mim por toda a eternidade, e eu, Verdi-Garandieu, sou forçado a dizer estas coisas."

     Esta é a parte do texto do exorcismo de Verdi Garandieu, o padre condenado, que encontrei no site mencionado acima.  Pode não ser tudo o que ele falou, mas penso que isto é o suficiente para todos terem uma idéia do que significa o inferno dos padres. E vou terminar com um texto da declaração do demônio angelical, Allida dado no exorcismo de 01/05/78:

     “Todos seriam completamente destruídos - no Vaticano - se não fosse pela presença do verdadeiro Papa. Sim! Se o Papa não estivesse rezando, sobre os joelhos dele, dia e noite, e enviando os seus argumentos até o Deus, a Igreja teria já sido destruída - a Igreja inteira teria alcançado o fundo do abismo. Mas este Papa Santo, com a grande santidade dele, foi instalado ali e foi predestinado de forma que a Igreja não afundasse.

     Vossa Igreja de hoje não seria A Igreja, se o Papa Paul VI não tivesse existido. Mas o Papa Paul VI foi predestinado desde toda a eternidade no Plano de Deus, para esta época, de forma que Igreja não submergisse. Porque este homem, o Papa, saberia levar isto. Porque os sofrimentos dele e as cruzes dele, lhe permitiram ainda levar isto. Diariamente ele está vivendo um martírio, um grande martírio. O Papa agüenta imensas tristezas que ninguém mais entre esses que estão no Vaticano, seria capaz de suportar.

    E suas bocas sujas têm a temeridade de atacar este Papa tão Santo! Por isto, não é o Papa que colocou a Igreja na direção errada, mas a culpa cabe aos ajudantes dele. Estes infelizes não percebem que os sofrimentos infligidos ao Papa por sua responsabilidade, que feriram a alma dele, são os meios pelos quais eles próprios calçaram as botas que os estão conduzindo para o Inferno dos condenando.

     E somos nós (demônios - por ordem da Trindade Santíssima) que estamos fazendo conhecer aquilo que o Evangelho já repetiu várias vezes... O Inferno é uma coisa terrível. Nem o Evangelho, nem todas as descrições que poderiam ser feitas, poderiam dar a você uma idéia da coisa apavorante que é o Inferno. E nós somos a prova viva para os que estão sugerindo a todo o mundo, padres ou as pessoas de posição, que Inferno não existe.” 
Fim!



A PRESSÃO SOBRE A IGREJA - Cristianismo é coisa séria, sagrada, que implica em muitos sacrifícios e provas



PRESSÃO DO INFERNO


1 - Entidades pedem que arcebispo da Paraíba se retrate sobre suspensão de padre.      Agência Folha on line.

      Uma "carta ao povo paraibano", assinada por 40 entidades e movimentos sociais, exige que o arcebispo metropolitano da Paraíba, dom Aldo Pagotto, dê explicações sobre a suspensão do padre e deputado Luiz Couto (PT-PB) de suas funções como sacerdote.
Dom Aldo Pagotto suspendeu Couto porque ele defendeu, em entrevista, o uso da camisinha, os homossexuais e o fim da obrigatoriedade do celibato para os padres.

Entre os autores da nota estão o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e a Astrapa (Associação das Travestis da Paraíba).

Segundo as entidades, a "gota d'água foi a perseguição ao padre e deputado federal Luiz Couto, representante legítimo do povo paraibano que, por defender questões de direitos humanos e de saúde pública, foi privado de exercer o sacerdócio por um ato arbitrário, violento e ostensivo do arcebispo".

O texto ainda diz que o padre Couto "não teve direito à defesa e vem sendo punido por um ato meramente político e não de cunho religioso". 
Em resposta ao manifesto, a arquidiocese, em nota, diz que "não há perseguição política ou religiosa ao padre Couto".

"A suspensão de Ordem,  [afastamento das funções como padre],  deveu-se ao fato de o sacerdote dizer em entrevista e confirmado ao próprio dom Aldo ser favorável ao uso do preservativo, do homossexualismo e ao fim do celibato, provocando confusão entre os fiéis cristãos, e contrariando as orientações doutrinais, éticas e morais sustentadas pela Igreja Católica", diz a nota.



2 - Outra Notícia - Portal Terra

O arcebispo de Olinda e Recife, dom José Cardoso Sobrinho, condenou a interrupção da gravidez da menina de 9 anos que teria sido estuprada pelo padrasto, na cidade de Alagoinha, no agreste de Pernambuco. Segundo dom José, os responsáveis pelo aborto estão excomungados da Igreja Católica. 
Os advogados da arquidiocese de Olinda e Recife haviam preparado uma denúncia que deveria ser encaminhada ao Ministério Público, mas desistiram da medida depois da divulgação do aborto.

A menina, que estava internada no Instituto Materno e Infantil de Pernambuco (Imip), recebeu alta na noite de ontem, quando foi novamente internada no Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), no bairro da Encruzilhada. Lá, a garota tomou medicamentos para começar o processo. Os dois fetos foram expelidos. O Cisam não informou quem integrou a equipe responsável pelo aborto e o arcebispo não citou nomes dos excomungados.

Por volta das 16h30 da tarde de ontem, os médicos do Cisam realizaram uma curetagem (raspagem) para retirar o material placentário do útero da menina. O estado de saúde dela é estável. A garota não corre risco de vida. A previsão de alta é de 24 a 48 horas após a curetagem.

No próximo dia 7, quando será lançada a campanha da fraternidade da CNBB em Pernambuco, em uma missa na Basílica de Nossa Senhora do Carmo, Dom José fará um manifesto público contra a interrupção da gravidez da menina estuprada pelo padrasto. 




NOTA: Os crimes de lesadeus

Vejam a pressão do inferno de todos os lados se atira contra a Igreja e contra os seus padres e bispos. No Vaticano o Santo Padre acabou forçado a anular a nomeação de um bispo austríaco, pela pressão dos bandidos de fora da Igreja. Ora, as indicações para o bispado partem exatamente desta gente, de modo que colocaram o Santo Padre numa fria.

Este Padre apenas havia dito que o Katrina, aquele tufão que devastou Nova Orleães tinha sido um castigo de Deus. Não é castigo, mas certamente uma PERMISSÃO divina, como aviso àquela cidade onde tantas malignidades e abominações acontecem. E continuam acontecendo. E virá muito pior! O bispo está certo, e penso que o Santo Padre não precisaria voltar atrás, porque de qualquer forma a coisa explodirá. Mas para evitar maiores discussões ele cedeu. 
  
No caso do 1º bispo acima, está corretíssimo dom Aldo em suspender a ordem do padre deputado - que era um mau padre, e sairá mau deputado - tanto que, pela orientação da Igreja, caso o padre resolva quebrar os votos que fez diante de Deus, entre eles a obediência, deve ter suspensão automática de todas as suas funções na Igreja. Não poderá administrar mais nenhum sacramento, nem celebrar a Santa Missa, enquanto estiver metido na política. Lei da Igreja, a qual ele diz ainda pertencer, quando está de fato fora dela. 

Mais, existe um determinação do Papa, bem clara, de que todo católico que se mantém filiado a um partido que aprove o aborto, ou que apoie diretamente esta causa, está em pecado gravíssimo, e não pode participar dos sacramentos.

Em linha indireta isso quer dizer: está excomungado da Igreja! Não pode participar da vida sacramental, e se forçar estará recebendo sacrilegamente os sacramentos. Assim, está certo o Bispo de suspender o ex-padre. 
  
E nenhuma entidade do mundo tem direito de se meter na vida da Igreja, até porque as entidades que apoiam o ex-padre, estão fora da Igreja. O bispo não pode quebrar a regra, porque nem depende dele e sim da lei maior. Menos ainda o MST vermelho e as associações homossexuais, com seus crimes de um lado, e pecados graves de outro. Ai dos que querem derrubar a Igreja: bater-se-ão contra a Rocha, e serão TODOS esmagados. 
  
Temos também no caso da menina que foi estuprada pelo padrasto e estava grávida de gemeos que foram abortados, outro fato grave. Isso porque o bispo declarou que estão excomungados da Igreja os que praticaram o aborto ne menina, no que ele tem razão.

A Igreja considera o aborto um crime bárbaro, um pecado também de excomunhão automática, porque exige a reparação, a confissão, sem o que a pessoa não pode participar dos sacramentos. 
  
E nenhuma entidade do mundo tem direito de forçar a decisão do Bispo, porque se ele o fizer, estará sendo conivente, e portanto a mesma excomunhão cairá sobre ele. Dom José Cardoso nem precisaria se pronunciar publicamente, mas palmas pela atitude que tomou. O gravame recai automático sobre os praticantes e cumplices do duplo assassinato cometido. 
  
Falando em excomunhões, se formos aplicar a lei da Igreja, na forma verdadeira e perfeita, temos hoje milhões e milhões de "católicos" que estão fora da Igreja, e entre estes milhares de freiras, padres e bispos. A simples negação dos milagres, a negação da presença real de Jesus na Eucaristia, a desobediência contumaz aos documentos da Igreja, a luta por derrubar Pedro, tudo isso anatemiza os praticantes, pelas regras bem claras do Concílio de Trento. Não precisa que o Papa se manifeste ou haja um processo. 
  
Cuidado, pois, todos os que se descolam de Pedro ou querem derrubá-lo. Os lobos uivam, a Igreja passa. E quando a Justiça divina terminar seu curso, não haverá mais lobos, só uma única Igreja. A de Pedro.






UMA VOZ SE LEVANTA: Dom José Cardoso






De repente, uma voz da Igreja se alevanta com coragem para proclamar que dois fetos são vidas a serem preservadas, mesmo que a gestante tenha apenas 9 anos  e tenha engravidado a partir de estupro do monstruoso amante da mãe. E que quem promover o aborto, estará excomungado.

Permitam-me aumentar o tamanho da letra, embora não esteja gritando.Os líderes que levam multidões aos shows, que a mídia respeita, outros líderes menores,... se calam!!!
Isto, infelizmente, gerou uma opinião pública contra a Igreja, até por parte de muitos católicos, porque... a evangelização tem sido insuficiente.  

Na televisão, os evangelizadores convidados a debater o aborto, quase que só ficam repetindo que "A Igreja é contra o aborto porque é a favor da vida..." Nada deexplicações à luz do Cristianismo, nada de exemplos, de casos práticos, nada de nada!!!

Então, aos olhos dos católicos não-evangelizados e dos não-católicos, é impossível perceber que, À LUZ DO CRISTIANISMO: essa menina cuja idade dos órgãos reprodutores é bem maior que sua idade cronológica, deveria prosseguir com a gestação,recebendo todo apoio médico, moral, psicológico,  afetivo, fazendo-se uma cesariana se necessário assim que fosse possível, para as crianças sobreviverem.

E em a pequena mãe nem a avó não querendo criar as crianças, elas seriam encaminhadas para adoção.




À LUZ DO CRISTIANISMO, é assim: mesmo havendo risco de vida para a gestante,pela Salvação de sua própria alma, ela deve optar por ter a criança, como fez a quase nunca citada Santa Gianna Beretta.

CRISTIANISMO:
- é mais que ir aos shows, aos showmisssas e à procissão, para cantar e dançar;
- é mais que comprar o CD do cantor que é padre e até do padre que é cantor;
- é mais que emocionar-se na Missa toda cheia de dramatizações, na qual a Liturgia foi renegada,  e sair proclamando "Ah, a missa foi linda!"

CRISTIANISMO é coisa séria, sagrada, que implica em muitos sacrifícios, provas, doações, conforme consta em muitos lugares da Sagrada Escritura, e foi explicado pelos membros da Sagrado Magistério.



O PERIGO DE CONVIVER COM HEREGES



 (São Tomás de Aquino)

"Por duas razões não se deve manter relações com os hereges.
Primeiramente, por causa da excomunhão, pois, sendo excomungados, não se deve ter relações com eles, da mesma maneira que com os outros excomungados.
A segunda razão é a heresia
Em primeiro lugar, por causa do perigo, para que as relações com eles não venham a corromper os outros, segundo aquilo da primeira epístola aos Coríntios (15, 33): 'As más conversações corrompem os costumes'.
E em segundo lugar para que não pareça se prestar algum assentimento às suas doutrinas perversas. Daí dizer-se na segunda epístola canônica de S. João (v. 10): 'Se alguém vier a vós e não trouxer esta doutrina, não o recebais em vossa casa, nem o saudeis, pois o que o saúda toma parte em suas más obras'.
E aqui a Glosa comenta: 'Já que para isso foi instituída, a palavra demonstra comunhão com esse tal: de outro modo não seria senão simulação, que não deve existir entre cristãos'. Em terceiro e último lugar, para que nossa familiaridade [com eles] não dê aos outros ocasião de errar.
Por isso, outra Glosa comenta a respeito dessa passagem da Escritura: 'E se acaso vós mesmos não vos deixais enganar, outros todavia, vendo vossa familiaridade [com os hereges], podem enganar-se, acreditando que esses tais vos são agradáveis, e assim crer neles.
E uma terceira Glosa acrescenta: 'Os Apóstolos e seus discípulos usavam de tanta cautela em matéria religiosa, que não sofriam sequer a troca de palavras com os que se haviam afastado da verdade'. Entende-se, porém: excetuado o caso de alguém que trata com outro a respeito da salvação, com intuito de salvá-lo".




VEJA TAMBÉM
A Verdadeira cura e libertação
CANÇÃO NOVA

                  PADRE LÉO - DA CANÇÃO NOVA -   EM SUA HOMENAGEM 
 COLOQUEI ALGUMAS HOMILIAS SUAS EM MEU BLOG, GRANDE EXORCISTA COMBATIA O MALIGNO NAS SÁBIAS PALAVRAS DA BÍBLIA. QUE DEUS CONSERVE JUNTO A JESUS E MARIA.  E PERDOE OS QUE FORAM SEUS INIMIGOS. AMÉM

Evangelho de São Marcos capítulo 9, versículos de 14 a 29.
"Depois, aproximando-se dos discípulos, viu ao redor deles grande multidão, e os escribas a discutir com eles. Todo aquele povo, vendo de surpresa Jesus, acorreu a ele para saudá-lo. Ele lhes perguntou: Que estais discutindo com eles? Respondeu um homem dentre a multidão: Mestre, eu te trouxe meu filho, que tem um espírito mudo. Este, onde quer que o apanhe, lança-o por terra e ele espuma, range os dentes e fica endurecido. Roguei a teus discípulos que o expelissem, mas não o puderam. Respondeu-lhes Jesus: Ó geração incrédula, até quando estarei convosco? Até quando vos hei de aturar? Trazei-mo cá! Eles lho trouxeram. Assim que o menino avistou Jesus, o espírito o agitou fortemente. Caiu por terra e revolvia-se espumando. Jesus perguntou ao pai: Há quanto tempo lhe acontece isto? Desde a infância, respondeu-lhe. E o tem lançado muitas vezes ao fogo e à água, para o matar. Se tu, porém, podes alguma coisa, ajuda-nos, compadece-te de nós! Disse-lhe Jesus: Se podes alguma coisa!... Tudo é possível ao que crê.* Imediatamente exclamou o pai do menino: Creio! Vem em socorro à minha falta de fé! Vendo Jesus que o povo afluía, intimou o espírito imundo e disse-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: sai deste menino e não tornes a entrar nele. E, gritando e maltratando-o extremamente, saiu. O menino ficou como morto, de modo que muitos diziam: Morreu... Jesus, porém, tomando-o pela mão, ergueu-o e ele levantou-se. Depois de entrar em casa, os seus discípulos perguntaram-lhe em particular: Por que não pudemos nós expeli-lo? Ele disse-lhes: Esta espécie de demônios não se pode expulsar senão pela oração."
 Esse texto quer nos ajudar, neste acampamento, a sairmos daqui livres de toda maldição. Significa aquilo que é dito de forma errada, e esse texto é um roteiro de cura e libertação.

Aonde o diabo chega, há discusão e onde tem discusão ele está lá. A arma número um do diabo é a enganação. Ele não trabalha com nada de concreto, só com a mentira. 

O Demônio é dinâmico, e tem agido através dos meios de comunicação. Aqui no Brasil, se você ligar a TV, à noite, você poderá ver vários programas religiosos expulsando o diabo por pessoas que se auto-denominam "bispos". Isso deve ser banido. Nós sabemos detectar quando é manifestação do inimigo e quando não é. 


 Nesse texto de Marcos, no capítulo 9, versículos de 14 a 29, nós vemos a pedagogia maligna. O menino se lançou ao chão se rangendo, e o que Jesus fez quando viu aquela cena? À primeira vista, pareceu que Jesus não tinha sensibilidade nenhuma, mas Jesus perguntou ao pai do menino o que estava acontecendo, pois não quis saber de fofoca, quis saber de alguém que, de fato, conhecia o menino. Por que Jesus perguntou há quanto tempo o ‘encardido’ estava atormentando o menino? Porque Ele queria mostrar ao demônio que o espetáculo dele não era nada, e para mostrar para os discípulos que não precisam ter medo do ‘encardido’. O demônio trabalha com o medo da morte. Mas, ele não tem poder de matar uma pessoa. As pessoas só morrem por vontade de Deus e pela fragilidade humana. 
 O jeito que as pessoas morrem, geralmente, tem a ver com a forma exterior de como viviam ou estavam quando elas morreram.
 O demônio tem horror a algumas profissões, como por exemplo: a profissão de advogado e médico, isso porque essas profissões servem para ajudar e até salvar as pessoas, servem muito para fazer o bem e o demônio fica muito bravo com isso, por isso, ele quer trazê-los para ele; para ‘jogar no seu time’, porque assim esses profissionais não fariam mais o bem.

O demônio não obriga ninguém a fazer nada, mais ele seduz. Nem a hipnose, nem em transe, e ainda que a pessoa esteja bêbada, o demônio não tem como usar desses meios para obrigar alguém a fazer alguma coisa. Nada tira o seu juízo. A liberdade é um dom sagrado, e o demônio sabe disso. 

Onde entra a consciência humana, ele não entra.Eu tenho consciência de que o demônio está chateado com a Canção Nova, e por isso quando acontece um encontro como esse Acampamento de Cura e Libertação, ele quer causar confusão, então, é importante que fiquemos atentos e colaboremos, para que saiamos daqui libertos.


 Eu peço que o Espírito Santo seja derramado em áreas de sua vida em que o demônio tem atacado. 
 "Vem, Espírito Santo, sobre a inteligência, pois onde há ignorância é mais fácil o demônio chegar. Vem sobre a liberdade desses meus irmãos!" 

PADRE LÉO
Transcrição: Leandro Francisco
Fotos: Anderson Nunes
Áudio: Tatiana Gomes




     PADRE LÉO -  DA CANÇÃO NOVA  -   EM SUA HOMENAGEM 
C COLOQUEI ALGUMAS HOMILIAS SUAS EM MEU BLOG, GRANDE EXORCISTA COMBATIA O MALIGNO NAS SÁBIAS PALAVRAS DA BÍBLIA. QUE DEUS CONSERVE JUNTO A JESUS E MARIA.  E PERDOE OS QUE FORAM SEUS INIMIGOS. AMÉM





Algumas citações sobre o Inferno nas Sagradas Escrituras

"Mostrar-vos-ei a quem deveis temer: temei àquele que, depois de matar, tem poder de lançar no inferno; sim, eu vo-lo digo: temei a este." (Lc 12,5)

"E estando ele nos tormentos do inferno, levantou os olhos e viu, ao longe, Abraão e Lázaro no seu seio.Gritou, então: - Pai Abraão, compadece-te de mim e manda Lázaro que molhe em água a ponta de seu dedo, a fim de me refrescar a língua, pois sou cruelmente atormentado nestas chamas." (Lc 16,23-24)
"E tu, Cafarnaum, serás elevada até o céu? Não! Serás atirada até o inferno! Porque, se Sodoma tivesse visto os milagres que foram feitos dentro dos teus muros, subsistiria até este dia.Por isso te digo: no dia do juízo, haverá menor rigor para Sodoma do que para ti!" (Mt 11,23-24)
"Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Percorreis mares e terras para fazer um prosélito e, quando o conseguis, fazeis dele um filho do inferno duas vezes pior que vós mesmos." (Mt 23,15)

"Serpentes! Raça de víboras! Como escapareis ao castigo do inferno?" (Mt 23,33)
"Pois se Deus não poupou os anjos que pecaram, mas os precipitou nos abismos tenebrosos do inferno onde os reserva para o julgamento;" (2 Pd 2,4)

"Por isso, se tua mão ou teu pé te fazem cair em pecado, corta-os e lança-os longe de ti: é melhor para ti entrares na vida coxo ou manco que, tendo dois pés e duas mãos, seres lançado no fogo eterno"(Mt 18,8)

"Se a tua mão for para ti ocasião de queda, corta-a; melhor te é entrares na vida aleijado do que, tendo duas mãos, ires para a geena, para o fogo inextinguível [onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga].Se o teu pé for para ti ocasião de queda, corta-o fora; melhor te é entrares coxo na vida eterna do que, tendo dois pés, seres lançado à geena do fogo inextinguível [onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga].Se o teu olho for para ti ocasião de queda, arranca-o; melhor te é entrares com um olho de menos no Reino de Deus do que, tendo dois olhos, seres lançado ? geena do fogo, onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga." (Mc 9,43-47)

"Mas eu vos digo: todo aquele que se irar contra seu irmão será castigado pelos juízes. Aquele que disser a seu irmão: Raca, será castigado pelo Grande Conselho. Aquele que lhe disser: Louco, será condenado ao fogo da geena." (Mt 5,22)

"Se teu olho direito é para ti causa de queda, arranca-o e lança-o longe de ti, porque te é preferível perder-se um só dos teus membros, a que o teu corpo todo seja lançado na geena.E se tua mão direita é para ti causa de queda, corta-a e lança-a longe de ti, porque te é preferível perder-se um só dos teus membros, a que o teu corpo inteiro seja atirado na geena." (Mt 5,29-30)
"Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma; temei antes aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena." (Mt 10,28)

"Se teu olho te leva ao pecado, arranca-o e lança-o longe de ti: é melhor para ti entrares na vida cego de um olho que seres jogado com teus dois olhos no fogo da geena." (Mt 18,9)

"O inferno é violento"
 (Ct 8,6)

"Naqueles dias, os homens buscarão a morte e não a conseguirão; desejarão morrer, e a morte fugirá deles" (Ap 9,6)

"Quem tiver ouvidos, ouça o que o Espírito diz ? s igrejas: O vencedor não sofrerá dano algum da segunda morte." (Ap 2,11)
"A morte e a morada subterrânea foram lançadas no tanque de fogo. A segunda morte é esta: o tanque de fogo.Todo o que não foi encontrado inscrito no livro da vida foi lançado ao fogo." (Ap 20,14-15)
"Os tíbios, os infiéis, os depravados, os homicidas, os impuros, os maléficos, os idólatras e todos os mentirosos terão como quinhão o tanque ardente de fogo e enxofre, a segunda morte." (Ap 21,8)

"O machado já está posto ? raiz das árvores. E toda árvore que não der fruto bom será cortada e lançada ao fogo." (Lc 3,9)

"Ele tem a pá na mão e limpará a sua eira, e recolherá o trigo ao seu celeiro, mas queimará as palhas num fogo inextinguível." (Lc 3,17)
"Se alguém não permanecer em mim será lançado fora, como o ramo. Ele secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo, e queimar-se-á." (Jo 15,6)
"Só teremos que esperar um juízo tremendo e o fogo ardente que há de devorar os rebeldes" (Hb 10,27)


Sobre os condenados:


"Desse modo, serão julgados e condenados todos os que não deram crédito ? verdade, mas consentiram no mal." (II Tess 2,12)

"Eles sofrerão como castigo a perdição eterna, longe da face do Senhor, e da sua suprema glória" (II Tess 1,9)
"Os que praticaram o bem irão para a ressurreição da vida, e aqueles que praticaram o mal ressuscitarão para serem condenados." (Jo 5,29)

"O Filho do Homem enviará seus anjos, que retirarão de seu Reino todos os escândalos e todos os que fazem o mal e os lançarão na fornalha ardente, onde haverá choro e ranger de dentes" (Mt 13,41-42)

"Voltar-se-á em seguida para os da sua esquerda e lhes dirá: - Retirai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos." (Mt 25,41)

"Os anjos que não tinham guardado a dignidade de sua classe, mas abandonado os seus tronos, ele os guardou com laços eternos nas trevas para o julgamento do Grande Dia." (Jd 1,6)

"Em Sião os pecadores serão aterrados, o medo apoderar-se-á dos ímpios. Quem de nós poderá permanecer perto deste fogo devorador? Quem de nós poderá permanecer perto das chamas eternas?" (Is 33,14)

"Há de beber também o vinho da cólera divina, o vinho puro deitado no cálice da sua ira. Será atormentado pelo fogo e pelo enxofre diante dos seus santos anjos e do Cordeiro.A fumaça do seu tormento subirá pelos séculos dos séculos. Não terão descanso algum, dia e noite, esses que adoram a Fera e a sua imagem, e todo aquele que acaso tenha recebido o sinal do seu nome." (Ap 14,10-11)



No Catecismo


"Depois da vida presente há outra, ou eternamente feliz para os eleitos no Paraíso, ou eternamente desgraçada para os condenados no Inferno" (Cat. S.Pio X, 245)

"A desgraça dos condenados consiste em serem para sempre privados da visão de Deus, e punidos com tormentos eternos no Inferno." (Cat. S.Pio X, 248)

"Os bens do Paraíso e os males do Inferno, por ora, são só para as almas porque por enquanto só as almas estão no Paraíso, ou no Inferno; mas depois da ressurreição da carne, os homens, na plenitude da sua natureza, isto é, em corpo e alma, serão ou felizes ou infelizes para sempre." (Cat. S. Pio X, 249)
"Os bens do Paraíso para os eleitos, e os males do Inferno para os condenados, serão iguais na substância e na duração eterna; mas na medida, isto é, no grau, serão maiores ou menores, segundo os méritos ou deméritos de cada um." ( Cat. S.Pio X, 250)
"Sim, todos somos obrigados a observar os Mandamentos, porque todos devemos viver segundo a vontade de Deus que nos criou; e basta transgredirmos gravemente um só deles para merecermos o Inferno." (Cat. S.Pio X, 347)

O que os santos disseram sobre o inferno?


Disse São João Bosco no livro "O Jovem instruído".


"A alma se fez o mal, será punida com um terrível

castigo, no inferno, onde padecerá para sempre o fogo 

e toda a sorte de tormentos."


"Dois são os lugares que nos estão reservados na outra 

vida: para os maus, o inferno, onde se sofre todos os 

tormentos; para os bons, o Paraíso, onde se goza todos

 os bens" 

Se começardes a viver mal no tempo da juventude

 muito facilmente continuareis assim até a morte, e 

isto vos conduzirá inevitavelmente ao inferno.

Nada atormenta mais os condenados no inferno do que

 o pensamento de ter passado no ócio aquele tempo,

 que Deus lhe tinha dado para se salvarem.

Quantos jovens estão no inferno por ter dado ouvidos

 ás más conversas!


Tempo virá em que o riso e o sarcasmo dos malvados

 se transmudará em pranto no inferno 


Se fosse possível tirar os escândalos do mundo,

 quantas almas iriam ao Paraíso, as quais, pelo 

contrário perdem-se eternamente no inferno!

Disse Santo Afonso Maria de Ligório em seu livro "Preparação para a Morte"
Fazei-me antes morrer da morte mais dolorosa do que 

permitir que de novo perca a vossa graça. Já fui 

escravo do inferno; agora sou vosso servo, ó Deus de

 minha alma!

De que lhe valeu a autoridade que possuía, se agora 

seus restos mortais estão condenados a apodrecer

 numa vala e a sua alma arrojada nas chamas do

 inferno?

Quantos pobres pecadores tiveram a infelicidade de 

ser surpreendidos pela morte ao recrearem-se com 

manjares intoxicados e foram precipitados no inferno? 

?Assim como os peixes caem no anzol, assim são 

colhidos os homens pela morte num momento ruim?.

 (Ecl 9,12). O momento ruim é exatamente aquele em 

que o pecador ofende a Deus





Os sentimentos destes moribundos, que durante a vida

 desprezaram a consciência, se assemelham aos dos

 condenados que, sem fruto nem remédio, choram no

 inferno seus pecados como causa de suas penas.

A vida presente é uma guerra contínua contra o

 inferno, na qual sempre corremos o risco de perder a 

Deus e a nossa alma.

Assim como os que morrem em pecado começam já a 

sentir no leito mortuário algo das penas do inferno,

 pelo remorso, pelo terror e pelo desespero

Então os pecadores implorarão o socorro do Senhor,

 mas sem conversão verdadeira, unicamente com o

 receio do inferno, em que se vêem próximos a cair.

 É por este motivo justamente que não poderão provar 

outros frutos que os de sua má vida. ?Aquilo que o homem semeou, isto também colherá? (Gl 6,8).

O tempo é um tesouro que só se acha nesta vida, mas

 não na outra, nem no céu, nem no inferno. É este o 

grito dos condenados: Oh! se tivéssemos uma hora!?..

. Por todo o preço comprariam uma hora a fim de 

reparar sua ruína; porém, esta hora jamais lhes será

 dada.

Mas, se te enganares e te perderes, de que te servirá 

no inferno haveres desfrutado de todos os prazeres do

 mundo, teres sido rico e cortejado? Perdida a alma

, tudo está perdido: honras, divertimentos e riquezas.

Morre-se uma vez, e perdida uma vez a alma, está

 perdida para sempre. Só resta o pranto eterno com os 

outros míseros insensatos do inferno, cuja pena e

 maior tormento consiste em pensar que para eles já 

não há mais tempo de remediar sua desdita (Jr 8,20).

Qual será, pois, ó meu Deus, a angústia do condenado

 quando, ao entrar no inferno, se vir sepultado naquele

 cárcere de tormentos, e, atendendo à sua desgraça

, considerar que durante toda a eternidade não há de

 chegar remédio algum! Sem dúvida exclamará: ?Perdi 

a alma e o paraíso, perdi a Deus; tudo perdi para sempre, e por quê? por minha culpa!



Oh, nunca acabará!... Passarão mil milhões de anos e

 de séculos e o inferno que sofreres estará 


começando!... Que é um milhar de anos em 

comparação da eternidade? Menos que um dia já 

passado... (Sl 89,4)

Não há, pois, termo médio: ou reinar eternamente na

 glória, ou gemer como escravo no inferno. Ou sempre

 ser bem-aventurado, num mar de dita inefável, ou 

ficar para sempre desesperado num abismo de

 tormentos.


São João Crisóstomo,



 considerando que aquele rico, qualificado de feliz no 

mundo, foi logo condenado ao inferno, enquanto que 

Lázaro, tido como infeliz porque era pobre, foi depois

 felicíssimo no céu, exclama: "Ó infeliz felicidade, que

 trouxe ao rico eterna desventura!..

. Ó feliz desdita, que levou o pobre à felicidade 

eterna!"

Jeremias disse também que o Senhor nos deu dois 

caminhos, o da glória e o do inferno (Jr 21,8).


Mas quem se empenha em andar pela senda do inferno, como poderá chegar à glória? É de admirar que, ainda que todos os pecadores queiram salvar-se, eles mesmos se condenam ao inferno, dizendo: espero salvar-me. Mas quem será tão louco - disse Santo Agostinho - que tome veneno moral com esperança de curar-se?... No entanto, quantos insensatos se dão a morte a si próprios, pecando, e dizem: "mais tarde pensarei no remédio..." Ó deplorável ilusão, que a tantos tem arrastado ao inferno! Não sejamos tão imprevidentes; consideremos que se trata da eternidade.

Deus castiga o pecado mortal com as penas terríveis do inferno; contudo, esse castigo é, segundo dizem todos os teólogos, citra condignum, isto é, menor que a pena com que tal pecado deveria ser castigado.


Por outra parte, afirma São Paulo que de

"Deus não se pode zombar" (Gl 6,7).

E seria zombar de Deus o

 querer ofendê-lo sempre que quiséssemos e desejar, a 

seguir, o paraíso. Quem semeia pecados, não pode 

esperar outra coisa que o eterno castigo no inferno

 (Gl  6,8). O laço com que o demônio arrasta quase 

todos os cristãos que se condenam é, sem dúvida, esse 

engano


 com que os seduz, dizendo-lhes: ?Pecai livremente, 


porque, apesar de todos os pecados, haveis de salvar-
vos?.**

O ímpios, vivem longos anos em pecado; mas, quando

 se completa o número que lhes foi fixado, a morte dos

 arrebata e são precipitados no inferno (Jo 21,13).












Disse São Francisco de Sales no Livro "A Filotéia".



Os condenados estão no abismo do inferno, como 

desventurados habitantes desta cidade de 

horrores.Padecem dores incalculáveis em todos os seus 

sentidos e em todo o corpo; pois, assim como 

empregaram todo o seu ser para pecar, sofreram 

também em todo ele as penas devidas ao 

pecado.Desde modo, sofreram os olhos por seus 

olhares pecaminosos, vendo perto de si os demônios

 em mil figuras hediondas e contemplando com o

 inferno inteiro.Ai só se ouviram lamentos, desesperos,

 blasfêmias, palavras diabólicas, para punir por estes 

tormentos os pecados cometidos por meios dos 

ouvidos.E de modo análogo acontecerá aos demais 

sentidos.


Além destes tormentos, existem ainda um outro muito

 maior .É a privação e a perda da glória de Deus, que

 jamais verão.Por mais ditosa que fosse a vida de 

Absalão em Jerusalém, ele não deixava de protestar

 que a infelicidade de não ver por dois anos o seu pai

 querido lhe era mais intolerável que o tinha sido as 

penas do exílio.Ó meu Deus, que sofrimento será, pois

 e que pesar imenso ser privado eternamente de Vos 

ver e amar.

Considera sobretudo a eternidade a qual por si só faz o

 inferno insuportável.Ah!Se o calor de uma febrezinha

 torna uma breve noite corrompida e enfadonha que 

horrenda não será a noite no inferno, onde a

 eternidade se ajunta a abundância dos tormentos?É

 desta eternidade que procede a desesperação eterna,



 as blasfêmias execráveis e os rancores sem fim.

Você irá ao Inferno?



Certamente se você não crer ("O que não crer será condenado" Mc 16,16).Certamente, se você vive na lama do pecado e não quer voltar a deis através dos sacramentos.Você que não vive segundo os mandamentos que ignora Deus, que aceita sofismas modernos só para adormecer a consciência, você que tem vergonha da sua Fé e se recusa a reagir, pense seriamente que "TAL VIDA, TAL MORTE".


Mas, e a bondade de Deus?


Você não a vê?Olhe para o Crucificado: "Porque Deus 

amou de tal modo o mundo, que lhe deu seu Filho 

Unigênito, para que todo o que crê nele, não pereça, 

mas tenha a vida eterna" (Jo 3,16).



Que espera? Olhe para o céu e volte para seu Pai do

Céu
.
Fazendo uma boa confissão e começando a viver como

 um verdadeiro católico. Não se esqueça de conversar 


com um sacerdote que guarde a sua Fé católica,

 abandone a vergonha, o respeito humano e volte a 

Deus. Pois..."Não vos enganeis...DE DEUS NÃO SE 

ZOMBA"...



Escute São João Bosco que nos diz:



"Não imiteis aqueles infelizes que se iludem dizendo: "Cometerei este pecado, mas depois me confessarei".Não te enganes a ti mesmo desta forma: Deus amaldiçoa a quem peca na esperança do perdão: Maledictus homo qui peccat in spe. Lembra-te que todos os que estão no inferno tinham esperança de emendar-se mais tarde e no entanto se perderam eternamente. Quem sabe se depois terás tempo para confessar-te? Quem te garante que não hajas de morrer logo depois do pecado e que a tua alma não seja precipitada no inferno? Além disso, que grande loucura não seria ferir-te a ti mesmo na esperança de que o médico te venha depois curar a ferida? Afasta pois a enganadora idéia de poderes entregar-te a Deus mais tarde; neste mesmo momento detesta e abandona o pecado, que é o maior de todos s males e que, afastando-te de teu fim, te priva de todos os bens.

Moméntum a quo pendet aéternitas.Oh! grande, oh! terrível momento, do qual depende uma eternidade de glória ou de tormentos!compreendes bem o que te digo?Quero dizer que daquele momento depende ir para o Céu ou para o inferno; ser para sempre feliz ou para sempre infeliz; para sempre filho de Deus ou para sempre escravo do demônio; para sempre gozar com os anjos com os santos no céu ou gemer e arder para sempre com os condenados no inferno!

Teme grandemente pela tua alma e pensa que do viver bem depende uma boa morte e uma eternidade de glória.Por isso, não difiras por mais tempo e prepara-te desde já para fazer uma boa confissão e dispor bem as coisas da tua consciência, prometendo a Nosso Senhor perdoar os teus inimigos, reparar os escândalos dados, santificar os dias de guarda, cumprir os deveres do teu estado.



E agora, põe-te na presença de teu Deus e dize-Lhe de coração: Meu Deus, desde este momento eu me converto a Vós; amo-Vos, quero amar-Vos e servir-Vos até a morte.virgem santíssima, minha Mãe, ajudai-me naquele terrível momento.Jesus, José e Maria, espire em paz entre vós a minha alma." (O Jovem Instruído)



E dizeis com Santo Afonso e com o Profeta Jeremias: 

"Livrai-me do inferno, ou melhor: livrai-me do pecado,

 único mal que pode condenar-me. Ó Maria, rogai por 

mim e livrai-me do mal horrível de me ver em pecado

E sem a graça de nosso Deus!"

Senhor, grande é meu reconhecimento, porque ainda 

não me condenastes ao inferno, que tantas vezes

 mereci? (Lm 3,22).
Thomas
          Agradecimento a todos sites de busca que me ajudaram a elaborar esta página, em defesa da nossa Igreja Santa Católica Apostólica Roman

Silvania Maria.









---------------------------------------------------


VEJA TAMBÉM